quinta-feira, 12 de março de 2009

Centro espírita na Zona Norte de SP cuida de animais Tratamento espiritual, no entanto, não dispensa ida ao veterinário.

Centro espírita na Zona Norte de SP cuida de animais Tratamento espiritual, no entanto, não dispensa ida ao veterinário.

08/02/2009 - 10h35 (Outros - G1)
foto: G1

Qualquer animal pode ser submetido ao tratamento espiritual.


Donos de animais com fraturas, câncer ou que sofrem de ansiedade têm encontrado no centro espírita Vicente Cerverizo, na Vila Medeiros, na Zona Norte de São Paulo, uma ajuda para atravessar o momento difícil. O lugar é o único do Brasil que se tem notícia que oferece tratamento espiritual a animais de estimação. A afirmação é do veterinário Marcel Benedeti, presidente da Associação Espírita Amigos dos Animais (Asseama).

Segundo ele, quaisquer animais são passíveis de tratamento espírita "uma vez que todos são seres que merecem atenção. Não importa se são cães, gatos, aves, suínos, bovinos ou eqüinos", afirma Benedeti, que, apesar de ser veterinário, não mistura o trabalho do médico com o do espírita.

"Não é permitido tocar no assunto relacionado à medicina veterinária nem que alguém ali no trabalho é veterinário. Não lemos receitas e nem damos opiniões a respeito de tratamentos médicos que os animais recebem. Portanto, ali dentro, não existem veterinários e pacientes veterinários, mas apenas espíritos necessitados de auxílio", esclarece.

Benedeti conta que todos no grupo espírita são vegetarianos. Os donos dos animais são chamados de tutores. "Não chamamos de donos, pois acreditamos que os animais não são objetos para terem donos", justifica.

Em busca de quê

O perfil dos mascotes que são levados ao centro é bem parecido. Eles chegam lá depois de terem passado por diversos tratamentos "físicos" sem sucesso. "As pessoas recorrem ao tratamento espiritual como meio de aliviar o sofrimento dos animais", diz Benedeti, que costuma receber principalmente animais desenganados ou que foram recomendados para eutanásia. "É o último recurso", diz ele.

Os donos também têm algo em comum. "São pessoas sensíveis, que se preocupam com o bem-estar de seus animais", observa Benedeti, que complementa: "Não fazemos distinção entre tutores quanto à religião", diz. No local, são bem-vindos católicos, evangélicos, judeus, umbandistas e, naturalmente, os espíritas.

O veterinário Francisco Cavalcanti de Almeida, presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária, não vê problemas em o dono submeter o seu bichinho de estimação a um tratamento espiritual. O que não pode, afirma ele, é o animal deixar de ser levado ao veterinário.

"Para qualquer ser vivo, existe uma enfermidade e o seu tratamento médico específico. O veterinário é o profissional capacitado para detectar qualquer sintoma ou doença e até realizar a prevenção", afirma Almeida.

Animais desenganados

O aposentado Mário da Conceição, de 75 anos, conheceu o tratamento espiritual depois que encontrou na rua o setter irlandês Caramelo. "Levei ele para o veterinário, que constatou que Caramelo tinha problema no coração, no fígado, não enxergava e não ouvia direito e também não se firmava nas patas traseiras. Ele viveria por pouco tempo", relembra.

Por onde começar

Tutores que se interessaram pelo tratamento devem começar fazendo um cadastro na Asseama. É preciso informar nome, endereço, raça, sexo e idade do bicho de estimação, para, depois, dar detalhes sobre o problema que aflige o animal. Neste momento, a pessoa se compromete a não comer carne nem oferecê-la ao mascote no dia marcado para o tratamento.

Chegando ao centro, o tutor passa por nova entrevista e, em seguida, é encaminhado à sala de palestras. "Esta é a parte mais importante do tratamento. É neste intervalo de reserva e reflexão, quando as pessoas ouvem do palestrante orientações evangélicas, que a equipe espiritual procede ao tratamento dos animais e do tutor", descreve Benedeti.

Após a palestra, que dura cerca de 30 minutos, o animal e o seu acompanhante entram em uma sala onde são submetidos a um tratamento por imposição de mãos durante um minuto. ?Geralmente, pede-se para retornarem depois de algum tempo, que pode ser entre sete a 30 dias".

Serviço

Associação Espírita Amigos dos Animais (Asseama), tel. (11) 2071-2590.

O cachorro, que já devia ter cerca de 12 anos quando foi achado, foi tratado com um veterinário homeopata e, com o tempo, apresentou melhora. Paralelamente ao tratamento, Mário levava Caramelo ao centro espírita.

"A fila do passe depende do estado de saúde do animal. No começo, ele passava na frente. Depois, ele passou a entrar na fila como todos os outros. Antes, eu carregava ele no colo do carro até a sala. No fim, ele já descia do carro sozinho", relembra.

Caramelo morreu em outubro do ano passado, mas Mário não deixou de frequentar o centro. O aposentado é responsável por outros três cães: Judite, que mora com ele, e Pretinho e Branquinho, que moram em uma pet shop mas saem para passear todos os dias com o tutor.

Quem também costuma frequentar o centro é o aposentado Antônio de Andrade, de 81 anos, dono de Diana e Juruna, um casal de fila brasileiro. A fêmea vem sendo submetida a um tratamento veterinário contra câncer há seis meses, período em que também passou a ir ao centro na Zona Norte.

Na semana passada, no entanto, Diana perdeu o movimento das pernas. "Tentei erguê-la, mas não adiantou". Agora, o tratamento espiritual da cadela será à distância. Sim, o grupo espírita também atende, a pedido do tutor, animais doentes que não podem ir até o centro.

Um comentário:

Nani disse...

Eu me chamo Elaine tenho 2 patas peludas e uma linda cachorra Boxer.
Estou arrepiada com que li, não sou espirita mas acredito e tenho muita Fé é o que realmente faz me manter de pé.Gostaria de conhecer este centro pois algo me diz que é um trabalho digno e serio.Espero ter a oportunidade de conhecer por amor antes da dor e só tenho a agradecer e dar meus parabéns a todos.Isso realmente é compaixão ao proximo sem discriminação nenhuma.O meu Obrigada em nome de todos meus Peludos
Elaine